Tudo que você precisa saber sobre o Novo Coronavírus

por Bruno Fontana | |

Tudo que você precisa saber sobre o coronavírus, o novo coronavírus e os riscos de mais uma pandemia global. Quais pessoas estão correndo mais perigo? Quais sintomas? O que fazer caso seja infectado?

Todas essas respostas e muitas outras você encontrará neste único artigo, bem como as referências para consultar diariamente o crescimento do vírus.

Leia e compartilhe com amigos nos grupos de WhatsApp, seja protagonista desta prevenção e educação sobre saúde: você pode salvar uma vida.

O que é o coronavírus

Coronavírus é uma família de vírus que causam infecções respiratórias. Pode-se facilmente confundir-se com a gripe comum.

Por volta de 1960 foram descobertos os primeiros coronavírus humanos. A maioria das pessoas se infecta com os coronavírus comuns ao longo da vida, sendo as crianças pequenas e idosos os perfis mais propensos a se infectarem.

Os coronavírus mais comuns que infectam humanos não possuem riscos consideráveis e são tratados com remédios, chás, bastante água e repouso. Os quatro tipos de coronavírus que circundam pela vida humana produzem sintomas simples de serem tratados e já são vírus humanos, ou seja, o próprio sistema imune e formas exógenas de cura dão conta. Mas não para por aí.

Segundo Luiz Goes, pesquisador e pós-doutorando do departamento de microbiologia do Instituto de Ciências Biomédicas da USP (Universidade de São Paulo), o Brasil está em risco de doenças zoonóticas, que inicialmente são transmitidas por animais e depois passam para seres humanos. Neste caso, o corpo humano ainda não possui o necessário para combater o vírus.

Ele estuda a diversidade de coronavírus em morcegos no Brasil e revela uma consideração alarmante. Em entrevista para a UOL Goes atribui as contaminações ao desmatamento e avanço do homem sobre as florestas.

O que é o novo coronavírus

O novo agente do coronavírus (nCoV-2019) foi descoberto em 31/12/19 após casos registrados na China. O caso da China é o terceiro coronavírus emergente em humanos, ou seja, é a transmissão de um coronavírus zoonótico, vindo de um animal.

Ele pula de uma espécie onde já é natural – como os morcegos e camelos – para uma nova espécie, o ser humano. Devido o hospedeiro ser normalmente um animal silvestre, a contaminação é feita por um intermediário. O morcego não necessariamente “morde” um ser humano, mas sim um animal que o ser humano tem contato direto.

O morcego normalmente é o principal portador de doenças letais, como Ebola, SARs, entre outras. Contudo, no Brasil ainda não há nenhum caso que comprove que o morcego brasileiro tenha transmitido alguma doença deste tipo.

Goes também lembra que o problema não é o morcego em si, mas sim o aumento de contato humano com animais silvestres, possivelmente através do desmatamento.

Na China é comum o comércio livre e pouco higiênico, bem como a caça de animais silvestres como o próprio morcego. No Brasil não temos isso como cultura. Por esse motivo estamos melhores assistidos em relação à infecção através deles.

Como o novo coronavírus é transmitido

Um fato importante a ser considerado é a invasão do ser humano em áreas silvestres, principalmente para trabalhos agrícolas e expansão do desmatamento.

Cada espécie possui seus vírus, milhares deles não são transmissíveis ao ser humano. Porém, ao sofrer mutações os vírus se adaptam a outras espécies, buscando se proliferar.

Segundo alguns estudos publicados na China o novo coronavírus afeta com maior frequência pessoas mais velhas e com doenças crônicas.

A amostragem foi pequena, apenas 99 pessoas infectadas entre 1º e 20 de janeiro de 2020. Entre eles, 55% possuiam algum problema crônico. Doenças vasculares, cardíacas, câncer, diabetes ou males digestivos e respiratórios.

A média de idade era de 55 anos, sendo que 37% dos 99 pacientes estavam acima dos 60 anos. Provavelmente isso acontece pela tendência de diminuir a imunidade com o avanço da idade.

Outro fato importante relatado no estudo foi que dos 99 infectados, 67 eram homens. Os pesquisadores relataram que “A reduzida suscetibilidade das mulheres a infecções virais pode ser atribuída à proteção do cromossomo X e aos hormônios sexuais, que exercem um papel no sistema imunológico”.

Ainda não está claro como o novo coronavírus age. Porém, os vírus possuem um nível de contaminação diferente, uns sendo mais contagiosos que outros. Podem ser transmitidos pelo ar, através de espirros, tosses, gotículas de saliva.

O contato pessoal próximo, como aperto de mão, beijo e abraço. O contato com objetos pessoais que podem ter sido usados próximos aos olhos, boca, nariz.

Quais os sintomas do novo coronavírus

Os sintomas são muito parecidos com a gripe, normalmente agindo sobre o trato respiratório superior em casos menos graves. Em casos mais graves pode agir sobre o trato respiratório inferior, podendo evoluir para bronquite e afins.

Os sintomas mais comuns entre o grupo hospitalizado e acompanhado na China foram febre, tosse e falta de ar. Dores musculares e de cabeça, irritação na garganta e desconforto no peito também foram observados, bem como confusão mental.

Coronavirus é letal?

Para que você possa acompanhar a evolução diária do vírus, o Ministério da Saúde lançou a Plataforma Integrada de Vigiância em Saúde, a Plataforma IVIS. Nela você pode acompanhar o número de casos, em quais países e também o número de óbitos.

O que está sendo considerado até então é uma taxa de mortalidade menor do que pandemias anteriores, sendo ela em torno de 3%. Ainda é cedo para decretar qualquer margem exata, contudo, o vírus ainda não apresenta sinal de alta mortalidade.

Das 28.276 pessoas comprovadamente infectadas, 565 morreram. Sendo que 28.060 são da China, onde tudo se originou. Números atualizados até o dia 06 de Fevereiro de 2020, segundo a Plataforma IVIS.

Como se prevenir do novo coronavírus

Assim como outro vírus, você deve tomar cuidado com o contato direto com pessoas em risco de contaminação, principalmente vindas da China. Cuidado ao se aproximar de animais silvestres.

Lave bem suas mãos, não compartilhe objetos pessoais, como beber no mesmo copo, garrafa ou usar os mesmos talheres.

A transmissão entre humanos normalmente se dá a partir do contato com algum tipo de secreção ou resíduo biológico, como saliva, catarro, fezes, sangue, lágrimas.

Se você rói unhas, cuidado para lavar suas mãos após tocar em qualquer superfície tocada por outras pessoas. Caso contrário, você pode levar o vírus do ambiente externo para a sua boca.

Qual remédio tomar para o novo coronavírus

Não existe tratamento específico para infecções causadas por coronavírus humano. É indicado repouso e consumo de bastante água, além de algumas medidas adotadas para aliviar os sintomas, como, por exemplo:

Uso de medicamento para dor e febre (antitérmicos e analgésicos);

Uso de umidificador no quarto ou tomar banho quente para auxiliar no alívio da dor de garganta e tosse;

Assim que os primeiros sintomas surgirem, é fundamental procurar ajuda médica imediata para confirmar diagnóstico e iniciar o tratamento.

Na China estão testando medicamentos para o HIV no Coronavírus. Autoridades de saúde da China solicitaram o medicamento para ajudar nos esforços do governo para enfrentar a crise, de acordo com Adelle Infante, porta-voz da AbbVie, sediada em North Chicago, Illinois.

Fontes:

Panorama Farmacêutico – “China testa medicamento contra HIV para novo coronavírus”

Revista Saúde Abril “Coronavírus: quem está mais suscetível a ele e aos sintomas graves”

Notícias UOL “Morcegos no Brasil têm coronavírus diferente do que surgiu na China”

Sérgio Franco Medicina Diagnóstica “Coronavírus: o que você precisa saber”

Portal Fio Cruz Brasil “Como o coronavírus é transmitido”

Plataforma AVIS

Ministério da Saúde “Coronavírus e novo coronavírus: o que é, causas, sintomas, tratamento e prevenção”